Balanço 2007

Primeira Fila sexta-feira, 21 de dezembro de 2007

Chegando aos cinemas os últimos filmes do ano tá na hora de fazer um apanhado do que rolou no universo cinematográfico em 2007. Pode parecer clichê mas, observar os filmes que foram exibidos durante o ano mostra a tendência de Hollywood (sempre repetitiva) frente aos cinemas independentes e autorais. O cinema nacional lançou o filme do ano, Tropa de Elite, que em meio ás discussões sociais e muita polêmica, ganhou domínio público através da pirataria e, mesmo assim, estourou nos cinemas, virou febre e até hoje, ainda garante, sucesso as inúmeras paródias dos personagens e universo do filme.

tropaCapitão Nascimento e sua Tropa de Elite: sucesso do ano

O espaço é pequeno (e a paciência também) então, abaixo faço algumas seleções para fazer um resumo de destaques deste ano:

Continuações, Adaptações e Refilmagens

Como eu já havia mencionado em outra coluna do Primeira Fila, 2007 será reconhecido como o anos das trilogias, foram inúmeras como o excessivo Homem-Aranha 3, o já não tão engraçado Shrek 3, o interminável Piratas do Caribe – No Fim do Mundo, um dos melhores do ano O Ultimato Bourne, o ainda eficiente elenco de 13 Homens e um Novo Segredo e o repetitivo A Hora do Rush 3.

Mesmo assim, no verão americano, onde foram lançados estas e outras continuações se obteve uma bilheteria estrondosa, prova de que os estúdios estão certos de que o grande público procura personagens e histórias que já lhe são familiares. Outro exemplo de sucesso, Transformers, realizado com produção de Steven Spielberg, revelou-se um sucesso entre o público masculino pela mistura infalível (se bem realizada), ação+efeitos+carros.

Claro que houve exceções, A Volta do Todo Poderoso, mesmo com Steve Carrell, um excelente comediante em alta tanto na tevê (The Office) quanto no cinema (O Virgem de 40), foi um fracasso de bilheteria também, o orçamento ultrapassava a barreira dos 100 milhões de dólares e o filme em si, era de uma inocência ímpar, muito, mas muito familiar.

Dois veteranos dos filmes de ação voltaram á ativa com personagens que os fizeram ídolos: Bruce Willis, com o infalível bom humor e as mais diversas explosões retornou com o tira John MacClane em Duro de Matar 4.0 e Sylvester Stallone, assumiu a idade e a decadência de Rocky em Rocky Balboa, que, no final das contas, encerrou com dignidade a história do boxeador.

Morte do Terror

Podem chamar os paramédicos, sucessos instântaneos, o gênero terror, não consegue mais garantir uma boa bilheteria, prova disso, O Albergue 2 chegar diretamente em dvd por estas bandas, resultado da má bilheteria americana. Além dele, produções como Jogos Mortais 4, Resident Evil 3, Turistas, Hannibal – A Origem do Mal e A Colheita do Mal demonstram que o público ainda prefere ver uma boa história com sustos e tensão do que tripas e efeitos jogados na tela.

alberguepi, pi, pi, piiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiii

Há outras opções menos sanguinárias ao gênero como o exercício cinematográfico de David Fincher, Zodíaco, a versatilidade coreana O Hospedeiro, o ritmo alucinante de Extermínio 2 e o sucesso surpreendente do terror psicológico de Stephen King, 1408.

Ressurreição das comédias

Se havia um gênero que demonstrava, e ainda, demonstra sinais de cansaço neste último anos era a comédia. O gênero estava largado nas mãos de roteiristas de quinta, claro que ainda há comédias medonhas como Norbit, do mala Eddie Murphy ou a overdose de Ben Stiller em Uma Noite no Museu, Escola de Idiotas e, finalmente, Antes só de que Mal Acompanhado, no entanto, Judd Apatow, Seth Rogen e sua turma criaram duas comédias hilárias neste ano: Ligeiramente Grávidos e Superbad – É Hoje.

mclovinMcLovin, o melhor personagem de comédia deste ano

Enquanto em Ligeiamente Grávidos, Apatow, conta como um ogro (não o Shrek, mas um adulto com modos de adolescente) acaba por ganhar uma mulher linda e responsável numa noitada mexendo com o mundos de ambos, em Superbad, volta-se ao mundo dos guri adolescentes tentando transar com uma guria antes de entrar na faculdade. Ambos dividem o carinho do roteiro pelos personagens que, normalmente, são somente imbecilizados em outros filmes, aqui ganham bons e inteligentes diálogos em situações engraçadissímas.

Destaques Nacionais

Além do fenômeno Tropa de Elite, o cinema nacional conseguiu lançar bons filmes, uma pena as bilheterias não acompanharem a qualidade dos mesmos. Dois filmes com ótimos roteiros, o bizarro O Cheiro do Ralo e o divertido Saneamento Básico – O Filmes provam que boas histórias conseguem fazer sucesso mesmo em circuito tão restrito. O outro grande campeão de bilheteria nacional foi o televisivo A Grande Família, claramente inferior á série, mas que possuia a máquina de marketing da Rede Globo a sua disposição. Cito, ainda, os bons Não por Acaso, Batismo de Sangue e Antônia.

cheiro

Outro destaque é para quem gosta de documentários, os diretores nacinais são responsáveis por pequenas obras de arte como Santiago, de João Moreira Salles, e Jogo de Cena, do mestre Eduardo Coutinho. Houve também espaço para obras biográficas como, Oscar Niemeyer e Person; obras homenageando nomes da música nacional, Cartola e Fabricando Tom Zé; obras históricas sobre a ditadura militar, Hércules 56 e Caparaó.

Animações em Alta

As animações continuam apresentando roteiros eficientes com personagens e técnicas de animação muito bem exploradas, neste ano, os destaques foram: Ratatouille, Os Simpsons – O Filmes, Tá Dando Onda e A Família do Futuro.

Cinema Internacional

Para quem gosta de filmes mais pomposos e cultos, o circuito alternativo trouxe diversas películas dos mais diversos paises. Da França, houve quase que uma verdadeira invasão: Piaf – Un Hino ao Amor, com uma interpretação de Oscar, Paris, Te Amo, Crimes de Autor, A Comédia do Poder, Um Lugar na Platéia, um dos maiores boca-a-boca do ano e Medos Privados em Lugares Públicos, somente para citar alguns.

Da Romênia chegou o elogiado A Leste de Bucareste, da Coréia, além de O Hospedeiro, foi lançado o último filme da trilogia de Park Chan-Wook (o mesmo de Oldboy), Lady Vingança. Da Alemanha, o ganhador do Oscar deste ano, A Vida dos Outros. Da Argentina, uma das melhores filmografias atuais, As Leis de Família e O Passado, novo filme do naturalizado brasileiro Hector Babenco. Da Ífrica do Sul, o vencedor do Oscar do ano passado, Infância Roubada. Da Comunidade Européia, A Vida Secreta das Palavras, Princesas, O Tigre e a Neve, do chato Roberto Benigni, Ventos da Liberdade, do cineasta engajado Ken Loach, Inferno, segunda parte da trilogia Paraíso, Inferno e Purgatório escrito pelo falecido cineasta Krzysztof Kieslowsky (responsável pels Trilogia das Cores).

Pra não Passar em Branco

Além de alguns filmes citados acima, nesta categoria menciono os filmes que se destacaram de alguma maneira durante o ano:
Perfume, primeiro filme com olfato;
Cartas de Iwo Jima, Clint Eastwood é mestre;
A Rainha, Helen Mirren a atriz do ano;
Borat, troféu non sense 2007;
Atirador, melhor filme dos anos 80 passado atualmente;
Notas sobre um Escândalo, dupla feminina: Cate Blanchett e Judi Dench;
Ponte para Terabítia, amizade e juventude;
Pecados Intímos, quando se cresce mas não se amadurece;
O Bom Pastor, épico sobre os bastidores da CIA;
Possuídos, paranóia e insanidade;
Sem Reservas, pra agradar a guria no findi;
Um Crime de Mestre, dupla masculina: Anthony Hopkins e Ryan Gosling;
Hairspray, balançando os pés no escurinho do cinema;
Garçonete, a vida é ruim mas pode ser boa;
Morte no Funeral, porque família é divertida até em enterro;

Os melhores filmes do ano, na humilde opnião de quem vos escreve se encontra aqui no Isso Não é um Top 10 de fim de ano – Cinema.

Antes de comentar, tenha em mente que...

...os comentários são de responsabilidade de seus autores, e o Bacon Frito não se responsabiliza por nenhum deles. Se fode ae.

  • joao

    ate que o ano foi muito bem!

busca

confira

quem?

baconfrito