A semana de um gamer com pouco tempo pra jogar.

Nerd-O-Matic quinta-feira, 31 de janeiro de 2008

Ok pimpolhos, vamos tentar alguma coisa diferente na coluna dessa semana. Vocês sabem que normalmente eu gosto de ficar aqui, discorrendo sem-noçãomente sobre minhas idéias e observações a respeito de vídeo-games, e tentando criar algum tipo de reflexão inválida sobre essa forma de entretenimento que rouba tantas horas de nossas vidas.

Mas ultimamente eu ando com saudades das Fast Food Reviews, que alguns de vocês devem ter acompanhado, e infelizmente não tenho encontrado tempo para manter a série. Mas isso não significa que eu não continuo jogando várias coisas, e muito a fim de comentar sobre elas com vocês.

Portanto tentarei fazer hoje um mix de coluna e review. Não vou fazer uma review, simplesmente, porque isso vocês podem ver em qualquer lugar por aí. Vou tentar fazer uma coisa mais pessoal. Vamos ver se vai dar merda.

Primeiro jogo que anda ocupando meu tempo. Alguém quer tentar adivinhar?

Final Fantasy Tactics: War of the Lions – Playstation Portable

937312_20070709_embed005.jpg

Eu sei, eu sei. Eu também estou constrangido por falar dele DE NOVO por aqui. Mas como já comentei em outros momentos, continuo jogando o Final Fantasy Tactics do PSP feito uma doninha enlouquecida. A febre voltou com tudo, e ainda não entendo totalmente por que caralhos continuo jogando um jogo que já terminei duas vezes no Playstation 1. Porra, virou uma relação de amor/ódio ultimamente; eu pego o PSP meio com raiva, me perguntando por que vou perder de novo mais alguns minutos jogando um jogo velho que eu já virei do avesso. Aí ligo o portátil, vejo que parei bem no meio de uma batalha com o Ramza já com o dual wield do job Ninja, que é a habilidade de utilizar duas armas ao mesmo tempo. É realmente um dos momentos mais satisfatórios de FFT, quando você pega essa habilidade de Ninja e troca ela pra transformar o personagem em um Knight, por exemplo. Aí tu vai lá e mata os inimigos em uma rodada só, ainda por cima em um contra-ataque! Oh, satisfação imensa do trabalho bem-feito.

Aí você termina a batalha, volta naquele mapinha motherfucker, e vai lá no menu, abrir a lista de abilities dos seus personagens. E você vê que faltam só 10 jp pra você colocar o seu Time Mage no nível 5, e que daí você vai poder transformá-lo em um Arithmetician, que vai poder mandar magia em qualquer canto do cenário, e isso é o cão chupando manga, porra! Então, são só 10 jp e tals, mais uma batalhazinha, só pra conseguir fechar o job, né? E assim você afunda sua vida em Final Fantasy Tactics, esse correspondente vídeo-gamístico da cocaína.

Se você não entendeu picas do que eu tô falando, é porque você nunca foi pego pela febre Final Fantasy Tactics. Mas tudo bem, o ponto aqui é o seguinte: é o jogo mais viciante de todos os jogos mais viciantes que já passaram pelas minhas mãos. Eu não vou conseguir nunca parar de jogar essa porra. E por isso estou odiando o jogo ultimamente. Não joguem Final Fantasy Tactics. É tipo um precursor do World of Warcraft em termos de vício.

Próximo jogo.

Na semana passada comprei Medal of Honour Heroes 2, do Wii.

Medal of Honour Heroes 2 – Wii

5762.jpg

Eu achava que Metroid Prime era o melhor FPS do Wii, mas depois de MOH fiquei na dúvida. E olha que eu nem sou tão fã da série MOH, apesar de ter jogado muitos desde que saiu o primeiro MOH no Playstation. Electronic Arts né, sabe como é; os jogos sempre parecem clones um do outro. E eu acabei de terminar o mesmo jogo no PSP… eu tava bem na dúvida se comprava ou não. Mas como eu tinha crédito na loja, e não tinha nenhuma novidade interessante, levei esse mesmo. Além do mais eu sou totalmente sucker por jogos de guerra.

Totalmente acima das expectativas. O controle é perfeito para o Wii, apontando a arma, caminhando e virando a câmera com uma agilidade espetacular. Tudo funciona como deveria funcionar, e você pode se concentrar imediatamente na ação. Claro, tem um ou outro comandozinho pra aprender, mas de uma forma geral é tudo tão ridiculamente intuitivo que você fica torcendo pra ver qual vai ser o próximo comando a ser aprendido.

Alguns desses comandos chegam a ser completamente idiotas, mas ainda assim são surpreendentemente divertidos. A bazuca, por exemplo; pra “usar” a bazuca você tem que levantar o wiimote e colocar ele sobre o ombro como se estivesse realmente segurando uma porra de uma bazuca. Confesso que me senti um imbecil completo na primeira vez que executei o movimento porque, veja bem, faltam alguns quilos e alguns METROS cúbicos para que um wiimote seja confundido com uma bazuca. Mas ok, play along, vamos fazer o movimento idiota e ver o que o jogo nos reserva.

Aí levantei o wiimote e olhei pros lados pra ver se não tinha ninguém me vendo. Porra eu olhei até pra JANELA pra ver se não tinha nenhum vizinho olhando. Ok, tudo limpo. “Aperte o gatilho para liberar o projétil”: aperto o gatilhozinho do wiimote e de repente WOOOOSH, uma porra de um barulho enorme de míssil voando no meu ouvido! Caralhos! Os caras colocaram o barulho do projétil percorrendo o cano da bazuca saindo pelo wiimote! E fica do caralho, porque você fez o movimento idiota de colocar o wiimote sobre o ombro e agora a parada tá COLADA no seu ouvido, fazendo um barulho infernal.

Aí fiquei eu rindo feito bobo enquanto a tela ia avermelhando, porque eu tomei altos tiros até conseguir voltar ao meu estado normal de gamer sério.

E, meu, como é diferente jogar no WII e no PSP; é definitivamente outro jogo. No PSP você trata como mais um FPS, jogando de forma mais técnica: recua, agacha, mira, atira: headshot. Avança, repete tudo de novo até o fim da fase. No Wii não tem dessas, você se envolve com o que tá acontecendo e tem momentos que você fica mesmo ferrado de tanto levar tiro, esperando o resto do teu batalhão avançar pra você conseguir correr até o próximo barril. Atirar granadas no wii envolve todo o movimento de jogar uma granada e é uma coisa DIVERTIDA e não a porra de simplesmente apertar o botão de mandar a granada no PSP. Só agora eu entendo perfeitamente o que é a “imersão” num jogo, quando o desenvolvimento técnico e tecnológico do hardware permitem que você se sinta mais “dentro” e participante ativo do que acontece na tela.

Beleza, só mais um jogo. Isso aqui tá enorme já, pra variar.

Burnout 3: Takedown – PS2

burnout-big3.gif

Então, eu estava de mudança na semana passada. E lógico que o que foi empacotado com mais cuidado foram os meus consoles. Eu fiz questão de trazer meus consoles de carro, sendo que eles podiam ter vindo com a mudança toda e tal.

Aí eu cheguei no apê novo e a primeira coisa que eu fiz foi testar todos os consoles, pra ver se eles tinham sobrevivido ao trajeto. Pra testar o PS2 eu escolhi o Burnout, que é um jogo que sempre habitou meu coração, devido á trilha sonora nervosa, velocidade alucinante e capotagens de filmes de ação.

Aí comecei a jogar a porra e não consegui parar mais pelo resto da semana. Burnout sempre me ocupa um tempo desgraçado, é totalmente viciante ficar batendo nos carros dos inimigos e fazendo eles voarem pista afora. E ainda ganhar pontos e mais tempo na pista por causa disso.

Além disso, tem o lance de as coisas acontecerem MUITO rápido. Burnout não é o tipo de jogo que você aprender a jogar e daí o adapta ao seu ritmo de jogo. Burnout é uma reversal russa dos games: Em Burnout, VOCÊ é que tem que jogar no ritmo do jogo. E o ritmo só vai aumentando; você vai pegando carros cada vez mais rápidos, pra correr em pistas cada vez mais estreitas e cheias de pilares de concreto, que vão te dividir ao meio e fazer você perder tanto tempo, que é melhor apertar o start e recomeçar a porra da corrida de volta.

É tão rápido que tudo em volta do carro SOME ás vezes. Eu jogo Burnout e tem momentos em que eu começo a lacrimejar, cara. E não é porque o jogo me emociona, mas porque eu não consigo PISCAR em algumas pistas. Você fica tão ligado na tela que esquece de suas funções vitais. Estou até vendo o dia que vou parar de respirar e morrer jogando. Orra isso seria do caralho, aliás.

É isso crianças. Espero que vocês tenham gostado. E como sempre, se não gostaram, vão morder a bunda dos pais de vocês pra ver se tem gosto de presunto, okie?.

Antes de comentar, tenha em mente que...

...os comentários são de responsabilidade de seus autores, e o Bacon Frito não se responsabiliza por nenhum deles. Se fode ae.

  • Po véi, eu gostei desse estilo de “análise”. Ficou gostoso de ler.

    Continue assim :D

  • Xita

    Orra cara só fico me perguntando como seria um jogo de luta no wii, rola uma matéria sobre isso?

  • atillah

    Claro que rola. Assim que eu jogar algum jogo de luta decente no Wii. Aliás, estou me mexendo pra conseguir No More Heroes. Impressões em breve.

  • Poneis

    Concordo com o Breno, ficou muito boa a análise

    apresente-nos mais alguns jogos decentes de wii, ainda não pude comprar o meu, mas já estou quase trocando de emprego(um que pague mais) pra adquirir essa maravilha videogamistica.

  • Calma, pessoal. O atillah tá devendo Fast-Food Reviews e ele já disse que vai começar a resenhar um jogo de Wii por dia. Enquanto isso, o Black e o Niptuck resenharão as outras plataformas.

    E o MELHOR: De graça.

  • rafael

    @atillah
    Vou fazer uma pergunta pessoal para você, na sua opinião qual seria a melhor escolha para compra um Wii ou um psp? Como etou sem nenhum console, resolvi comprar um PS2 eu já tive, Wii é aquela coisa de parecer meio bobo, ao meu ver o psp seria a melhor escolha por ser portatil e talz. Como eu não tenho dinheiro (ainda) para comprar um Xbox 360 elite, ou um PS3, e eu não quero ficar parado sem nenhum console. Como tapa buraco até eu comprar um dos verdadeiros next-gen (não considero o wii como um) qual seria a melhor escolha ?

  • joao

    ehuehuemso porcausa do MOH heroes 2 fiquei com vontade de comprar o Wii….e como se disse sobre o burnout 3,e a mesma coisa que acontece comigo quando eu estou jogando Guitarhero3!!!!

  • atillah

    @Rafael

    Essa escolha é altamente subjetiva. Leia a mini-série que eu fiz abordando os consoles da geração atual:

    http://atoouefeito.com.br/games/nerd-o-matic/estou-pensando-em-comprar-um-video-game-parte-1

    Se você não tem nenhum, recomendo o PS2. Se você já tem o PS2, recomendo o Wii. Se você não tem nenhum portátil, recomendo o PSP.

    Enfim, lê a matéria que é melhor.

busca

confira

quem?

baconfrito