A difícil vida dos gamers nos anos 90

Nerd-O-Matic quinta-feira, 10 de Janeiro de 2008

2007 foi um ano quente em termos de vídeo-games. E, na minha opinião, foi o período mais abundante em termos de ofertas de jogos e consoles realmente competitivos de toda a história dos jogos eletrônicos. É isso mesmo: estou dizendo que NUNCA ANTES nas nossas vidinhas modorrentas tivemos tanta coisa pra jogar.

mario-nes.JPG
Essa era toda a minha coleção de jogos na década de 90

Acha exagero? Então veja só: nunca na história dos games tivemos cinco consoles simultaneamente competindo pau-a-pau pela sedução de potenciais jogadores. E cinco consoles realmente bons, com apoio de produtoras, oferta de jogos, vendas expressivas e fanboys ferrenhos defendendo suas preferências de todos os lados.

Claro que dois dos cinco consoles são portáteis, mas aí é que está o negócio: são dois portáteis tão bons que realmente competem com os três consoles de mesa. Isso é espetacular e acho que estamos vivendo um momento único; é uma época privilegiada para ser um jogador.

ás vezes fico lembrando da época “áurea” (saudosistas devem morrer) do Super Nintendo e do Mega Drive, na década de 90, quando ficávamos esperando meses pelo lançamento de um jogo novo, com o inevitável delay até que ele chegasse ás nossas locadoras brazucas. Porra, olha quantos anos passaram entre o lançamento de ActRaiser 1 e Actraiser 2, por exemplo. Você não sabe? Um foi lançado em 1990 e o outro quase em 1994. Quatro anos de espera entre um jogo bom e sua continuação, dá pra acreditar?

actraiser.JPG

actraiser2.jpg

Hoje em dia nós temos pelo menos quatro ou cinco expansões de The Sims, POR ANO. Até os jogos ruins como Cooking Mama têm continuação saindo em intervalos curtos, em multi-plataforma. Como as coisas mudam em pouco mais de uma década.

Que desgraça cara, nós éramos infelizes e não sabíamos; a gente simplesmente não tinha o que jogar. Hoje em dia são lançados jogos novos praticamente todo dia. É lógico que a maioria dos jogos é uma merda, mas mesmo assim, temos mais jogos bons do que conseguimos jogar. E isso foi uma mudança radical de tendência que não pode ser ignorada.

Eu realmente acho que esse é um dos motivos que causam a idolatria dos jogos antigos por alguns gamers mais saudosistas. Eu sempre insisto que os vídeo-games vêm melhorando e que os jogos bons de hoje em dia são melhores do que os jogos bons de antigamente. Mas entendo como alguns jogadores se prendem aos jogos de antes em detrimento dos jogos atuais, e vou explicar agora.

Suponha que você é um moleque vivendo na década de 90, como eu era. Vivendo no Brasil, sua oferta de consoles se resumia a Super Nintendo e Mega Drive. Claro, dizia-se que existiam outros consoles, que povoavam nosso imaginário, como o Jaguar e o Neo Geo. Mas isso era conto de fadas, eles nunca existiram de verdade; eram só montagens vagabundas feitas pela Ação Games e pela Gamepro, pra ter alguma coisa pra mostrar na revista, já que jogo que é bom não tinha. Tinha o primeiro Game Boy também, um “portátil” que era um trambolho, movido a quatro pilhas AA que não duravam nada, com jogos rudimentares em preto e branco que pareciam versões Atari EM PRETO E BRANCO de jogos do Nintendinho. Teh Horror!

gameboy-thumb.jpg
Meu primeiro Game Boy

Então, o guri que queria jogar tinha um Mega Drive ou um Super Nintendo, e como os jogos eram caros pra cacete (malditos cartuchos) a solução era alugar as fitinhas malditas, como única forma viável de se manter atualizado com os últimos lançamentos. Mas como a oferta era escassa e os cartuchos eram importados pelas locadoras, você precisava ficar na fila de reserva pra pegar os jogos mais novos, como Sonic 2 ou Street Fighter Turbo. Alguns jogos, aliás, NUNCA saíam da fila de reserva, porque nego simplesmente não parava de locar aquela merda. Era o caso de jogos mega-hiper-blaster como Contra, Teenage Mutant Ninja Turtles e outros jogos 2 player, que eram o must no fim-de-semana, pra jogar com os amigos e primos.

A espera e a dificuldade para se conseguir jogar o que você queria gerava uma sensação de vitória e conquista pelo simples fato de você conseguir botar a mão no cartucho algum dia. Ah, a alegria de jogar um jogo apenas 2 ou 3 meses depois do seu lançamento. Hoje em dia nego baixa o jogo, queima um dvd e já tá jogando a parada antes mesmo dele ser lançado oficialmente. Vocês que pegaram só da época do Playstation em diante, com a abundante oferta de cds piratas, nunca vão entender o sentimento de “conseguir pegar um jogo”.

Pois bem, voltando aos jogadores senis.

Como eu estava falando, simplesmente conseguir o jogo já era um tesão. Ficar com ele por dois ou três dias inteiros então – as promoções de fim de semana que as locadoras faziam – significava dedicar todas as suas horas que não envolviam comer, defecar ou respirar a ficar na frente da tv jogando até começar a lacrimejar e os dedos ficarem dormentes. Quer dizer, comer não entra nessa, porque eu comia enquanto jogava também. E hoje em dia eu jogo no banheiro… e ninguém realmente pára de respirar enquanto joga… ok, vocês entenderam, era só pra dar efeito dramático e deixar claro que a gente jogava pra caralho antes de ter que devolver o cartucho.

Então, dentro desse cenário de novela, pense nas emoções despertadas pelo simples ato de ficar jogando o joguim, de dedicar horas e horas seguidas ao cartucho que deverá ser devolvido em breve. É como se alguém trouxesse a Monica Belucci pra sua casa e te dissesse que você tinha apenas 40 minutos pra utilizar a moça; é óbvio que você não vai fazer mais nada a não ser passar todo o tempo possível com ela, e tirar fotos em ângulos bizarros e comprometedores pra mostrar pra geral depois. Aliás, o que mais tinha nas revistas da época eram fotos que a gurizada mandava pras revistas, mostrando seus high scores nos jogos. Adoro piadas involuntárias.

A dedicação aos jogos daquela época ficou gravada na mente e nos corações desses jogadores senis, que hoje simplesmente não conseguem se desvencilhar daquelas emoções de outrora. Como hoje é muito fácil conseguir jogos, caímos naquele velho chavão de que “não valorizamos o que conseguimos de forma fácil”. A comparação entre os jogos de antigamente e os jogos de hojemente fica prejudicada pela carga emocional deixada pela década de 90, e esses jogadores senis ficam falando merdas do tipo “Orra cara, Final Fantasy IV é o melhor Final Fantasy que a Square já lançou”.

final12.jpg
Melhor que Final Fantasy XII?

Ô. Podecrê.

Mas dá um desconto pro cara. Ele passou pela guerra que foram os anos 90. O cara é tipo um veterano do Vietnam que perdeu as pernas e voltou meio lesado devido ao alto consumo de ópio. Deixa o cara falando sozinho e vai jogar Bioshock.

Antes de comentar, tenha em mente que...

...os comentários são de responsabilidade de seus autores, e o Bacon Frito não se responsabiliza por nenhum deles. Se fode ae.

busca

confira

quem?

baconfrito