Porque Leonardo DiCaprio não vai ganhar o Oscar

Cinema segunda-feira, 15 de Fevereiro de 2016

Se você está na internet há um tempo, deve saber que há uma certa torcida à favor do Leonardo DiCaprio quanto ao prêmio da Academia: O cara já ganhou Globo de Outro, o festival de Berlim, de Chicago, da Austrália, o Critics’ Choice Awards, o festival de Dallas, de Dublin, o da MTV, o Kids’ Choice Awards, o festival de Palm Springs, People’s Choice Awards, o festival de Santa Bárbara, o de San Diego, o Teen Choice Awards e mais uns outros aí. Acontece que o Oscar não veio. E não deve vir mesmo.

Com cinco indicações anteriores (Gilbert Grape: Aprendiz de Sonhador, O Aviador, Diamante de Sangue e O Lobo de Wall Street) o cara tá na sexta tentativa com o filme aí de cima, O Regresso. Que inclusive já ganhou alguns Globo de Ouro e o prêmio do Screen Actors Guild. Seguinte: Vou contar o final desse último filme dele aí; se você é fresco e liga pra spoiler, fica esperto.

Ele acha o maluco que meteu ele nos problemas todos do filme e os dois caem na porrada. No meio da bagunça, o pai da mocinha indefesa da história mata o outro e deixa o DiCaprio escapar por ter ajudado a filha dele. Só que ele já tomou sopapo demais e começa a ficar biruta, e o filme termina sem mostrar se ele bate as botas ou não.

Tá, então é isso.

Tirando a primeira indicação em Gilbert Grape, em todos os outros filmes Leonardo DiCaprio interpreta um papel só. Sim, tipo o AC/DC, os quadros d’A Praça é Nossa ou os bolos da tua vó.

Saca só a lista: Prenda-me se For Capaz, Gangues de Nova York, Os Infiltrados, Diamantes de Sangue, A Origem, J. Edgar, Django Livre, O Grande Gatsby, O Lobo de Wall Street e, por fim, O Regresso. Esses são todos os grandes filmes em que ele atuou desde o começo dos anos 2000. Há uns outros (Entre atuações e como produtor), mas estes são os grandes nomes. E em cada um deles, Leo interpreta o mesmo personagem.

Vários desses filmes são inspirados em fatos reais, ou em livros, ou documentários ou qualquer coisa verossimilhante. Todos esses filmes tiveram orçamentos gigantes e o nome “DiCaprio” contribuiu extremamente para o sucesso que todos eles tiveram em termos comerciais e de crítica. Todos esses filmes são superproduções contando com exatamente a mesma coisa: Uma atuação forçada, feita pra ganhar Oscar. Que nem jogador de futebol cavando pênalti.

Essa trilha sonora ganhou o vídeo.

Olha pra cada um desses filmes: É sempre um personagem “foda”. O cara rouba, trafica, contrabandeia, trai, vende, compra, finge, falsifica e é o melhor nisso. É sempre um cara que “os outros caras queriam ser”. Tanto faz se é rico ou pobre, no século 19 ou nos anos 80, no meio da guerra ou em salões de baile, DiCaprio sempre faz o cara importante. Pode não ser o principal, mas jamais é coadjuvante.

E é sempre uma saga épica, no melhor estilo O Herói de Mil Faces: O cara começa na boa, na maciota, cresce e fica poderoso, alguém dá um jeito de estragar isso, há alguma batalha pra se recuperar e, no final, ele ganha. DiCaprio sempre ganha. Ele ganha até quando morre no fim.

Vez após vez, DiCaprio sempre personifica o cara fodelão, que faz as paradas erradas, se fode um pouquinho por isso mas, na hora H, sai de cena triunfante. Não há derrotas, não há sofrimento: Todo o meio de todos estes filmes é apenas enrolação, porque todo mundo sabe que no momento decisivo ele vai fazer valer sua participação no filme à ponto de sempre fazer alguém falar que “dessa vez ele se superou”. Se machucou durante a filmagem? Continua atuando; deu certo pra várias pessoas. História engraçada no set? Se for legal com o público teve participação dele, senão ele manteve sua “ética de trabalho”. Ainda tá rolando a promoção do filme? Sejamos legais com os colegas e fãs em algum lugar público.

Eu não tenho absolutamente dúvida alguma que a vida do cara é um inferno: Pouca gente é tão seguida e vigiada quanto ele. Porém, após 25 anos de carreira, não se pode duvidar nem um pouco que ele sabe os caminhos a percorrer nessa história toda.

 Nunca entendi essa gente que usa bermuda na praia, serião.

E não há esforço. Não esforço real. Já não deu pra sacar que se arrastar pelo chão fazendo careta não dá resultado? Faça o derrotado uma vez, engorde 70 quilos pra um papel, sei lá. O cara está preso na mesma fórmula que há CATORZE ANOS não dá o resultado que ele quer, mas continua insistindo na mesma coisa. Tem gente que define isso como loucura, mas eu gosto de definir na realidade que é “burrice”.

Leonardo DiCaprio se esforça pra ganhar um Oscar, mas não se esforça pra fazer a melhor interpretação possível pela arte, seja essa arte qual for. A atuação não conta, só conta o quanto faz o público se simpatizar com todo o “esforço” colocado em cada cena impactante pro público no cinema. Foda-se essa merda: Ator tem que atuar, não ganhar prêmio. E enquanto a tal da arte não for o foco principal, o bagulho não anda.

Eu sinceramente não acho que o cara consiga baixar a bola e fazer um papel diferente. Não acho que ele consiga não ter o nome bem grande no pôster, ou fazer só uma participação, ou ir além dos limites que ele próprio impôs pra sua carreira. Leonardo DiCaprio está tão preocupado em ser Leonardo DiCaprio, o nome grande, que chama o público e arrecada milhões (Ou bilhões), que não alcança nem mesmo o objetivo tosco de agradar a Academia.

Porque, sejamos sinceros que ganhar o Oscar não é exatamente um sonho de vida. O que é interessante notar já que o cara ainda não ganhou: Ou alguém lá dentro tem um bico muito grande contra ele, ou ele genuinamente quer merecer essa porcaria e não apelou pra dinheiro e/ou teste do sofá nenhum. Afinal, todos sabemos como a galera da Academia não faz questão de “injustiçar” ninguém sob as circunstâncias corretas.

Mas enfim, é isso: O cara tá fazendo a mesma coisa há mais de década e ainda não se deu conta de que não deu certo. E pelo menos por enquanto a Academia está fazendo a coisa certa: Mandar ele se foder.

E olha só que coisa interessante: Ele pode até ganhar esse ano, mas não vai ser porque ele mereceu. Não, seria um cala-boca pras pessoas pararem de encher o saco. A torcida que o cara tem, tanto na internet quanto na vida real, provavelmente é maior que qualquer um já teve na história da premiação, e puta que me pariu, que gente chata. É que nem fã: Fã é uma merda, e fã que faz barulho torra a paciência de qualquer um.

A premiação deste ano vai acontecer dia 28 de fevereiro e a lista dos indicados já saiu, e eu duvido muito, mas muito mesmo, que ele ganhe. E, de novo, não deve ganhar. Não enquanto não criar vergonha na cara e topar se sacrificar de verdade por um papel, não com olho em prêmio, não com olho em reconhecimento, mas por poder dar vida pra tal personagem. Pra isso ele precisa descer do pedestal, arranjar um roteiro que seja bom mesmo e não uma marmita requentada, achar um diretor decente (E com isso eu quero dizer sim pra meter pé em Scorsese, Spielberg, Tarantino e toda essa laia aí) e, olha só, atuar mesmo. Do tipo que atores atuam. Do tipo que você interpreta outra pessoa e não um alterego babaca seu.

Leia mais em: , , ,

Antes de comentar, tenha em mente que...

...os comentários são de responsabilidade de seus autores, e o Bacon Frito não se responsabiliza por nenhum deles. Se fode ae.

  • Nelly Kruczan

    Concordo com o texto, até O Lobo de Wall Street. De resto discordo com muita, muita força. Em O Regresso, ele não faz o mesmo papel de sempre e está em sua melhor forma. Seu “Hugo Gloss” é um personagem pungente, sim, com uma gana fodida de fazer justiça, claro, mas introspectivo. Solitário. Muito do que ele diz não está nas palavras, mas nas ações, no olhar, na ATUAÇÃO que, finalmente, libertou do ranço Scorsese, com aquela cara de Leonardo DiCaprio, os olhinhos semicerrados e aquele sotaque, aquela voz.

    E mais: ele não está cercado de extras, como em Lobo, por exemplo. Em O Regresso, é a saga dele por ele mesmo. Leonardo contracenando com DiCaprio. Vejo um personagem e um ator que se reinventam a cada momento. E esse foi um filme difícil de ser feito e exigiu muito dele fisicamente, porque Iñárritu preferiu abolir, ao máximo, o uso de CGI, à poupar os atores. Então, além de atuar, ele sofreu de verdade em muitas das cenas.

    Outro grande destaque do filme é Tom Hardy. Se eu não tivesse tanto tesão no Mark Ruffalo (e não tivesse gostado tanto de Spotlight), apostaria na premiação de melhor coadjuvante pra ele. Na verdade aposto, mas torço contra por motivos de: Mark Ruffallo, pelos piores motivos possíveis. Mas fazer o que, shippo.

    Leonardo Dicaprio só não ganha o Oscar se Eddie Redmayne garfar essa premiação como Lily Elbe em Garota Dinamarquesa. Sim, GARFAR! Neste, ele veio com uma atuação muito mais rasa e sem sal do que apresentou em A Teoria de Tudo, em um filme que merecia muito mais consistência, pela relevância do tema. Lily merecia uma interpretação rascante, intensa, perturbadora. O diretor optou por mostrar a transição de fora pra dentro, focando nos maneirismos, na aparente feminilidade de Einar Wegener e não de dentro pra fora, como é na realidade na transsexualidade. O filme em si é lindo, mas só. Não esbozei uma emoção. Tom Hooper being Tom Hooper.

    Quanto aos outros, não vejo Michael Fassbender, Bryan Cranston e Matt Damon como competidores reais nesse páreo, muito embora Trumbo e Perdido em Marte sejam bons filmes e as atuações, especialmente de Cranston, muito boas. Na verdade, a do Matt Damon é só boa, mas segue o barco. (E não, não assisti Steve Jobs. Não vi e não gostei.)

    Minha análise: Leonardo DiCaprio vence o Oscar 2016 não porque virou meme. Não porque ele já concorreu outras 500x. Mas porque entregou o melhor de si, até hoje, e fez muito mais na telona do que seus concorrentes. Mérito não apenas dele, mas também do Iñárritu, que fez em O Regresso o que Hooper não conseguiu em Danish Girl.

  • Loney

    Então ele ganha não porque foi melhor, mas porque os outros foram pior?

    Em A Origem também houve um monte de efeitos práticos. Suar não equivale à desempenho. Do mesmo modo que estar sozinho em tela amplifica tudo que se faz, tanto pra bem quanto pra mal, e à bem da verdade a questão é simples: Espaço. Ou tempo, tanto faz. Ter maior campo para forçar a mesma coisa que ele já fez, sem dividir a atenção do público entre mais de um personagem/ator.

    E, de novo, é o nome dele no poster. “O Regresso, estrelando Leonardo DiCaprio” como o personagem principal que, lutando contra tudo e todos o filme todo, sozinho, ainda consegue, no fim, vencer seus inimigos e rumar em direção à incerteza. O benefício da dúvida.

    Se esse é o melhor que o DiCaprio consegue fazer, eu não quero. E vitória sem concorrentes não tem valor.

  • Loney

    Benefício da dúvida, em O Regresso, tal qual em Birdman, vale lembrar.

  • Nelly Kruczan

    Eu achei o desempenho dele muito bom, mas não o acho excelente. Achei o filme muito bom, mas, tal qual o ator, não é excelente.

    O que eu quis dizer é que, em outros filmes, como Titanic, Gangues, Ilha do Medo, O Lobo de Wall Street, etc etc etc. existem muitos extras, coadjuvantes e, em O Regresso, not so much. Em todos tem o nome dele no poster, mas dessa vez não tinha muito elenco pra se apoiar, outros personagens interessantes pra acompanhar. Ele precisou fazer um exercício de entrega maior. E eu, Nelly, acho que ele entregou, sim. 100%? Não. Mas ele já foi pior e eu acredito que possa ser melhor.

    E nem sou fã dele, muito pelo contrário. Tenho uma implicância com ele, justamente pelos aspectos que você salientou. Eu tava apostando contra ele não só dinheiro, mas meu figado e meus rins, inclusive. E ai vamos ao segundo ponto.

    Oscar não é mega sena, não acumula pro ano que vem. Então se você considera apenas regulares as atuações, sim, vai pro menos pior. E, vamos combinar, a premiação não tem o mesmo prestígio que tinha há 10, 20 anos. Porque a indústria massificou e produz muito com pouca qualidade. Inclusive to discordando das escolhas para Melhor Filme, porque teve muita coisa boa que foi solenemente ignorada.

    Eddie Redmayne é muito mais ator, minha aposta era dele (personagem historico, transsexual em processo de transição, enfim, a Academia adora), mas o que compromete é a construção do personagem dentro da narrativa. Achei confusa e repentina a transição de Einar pra Lily e não era pra ser. Foi uma experiência pouco emocionante e por isso, só por isso, acho que ele perde esse ano. E te dizer que a culpa nem foi dele, tanto que nem pra melhor filme Danish Girl foi indicado.

    Mas acho justissimo você não gostar do DiCaprio e achá-lo limitado. Porque não é mentira. Se esse for o máximo dele, nunca será um grande ator. Mas nivelando por baixo ou não, as maiores chances são dele.

    Ja entre as atrizes…outra história.

  • Quando era pra escrever pro Bacon ficava embaçando, agora pra ser comentarista…

  • Loney

    Então ele ganha porque dessa vez foi menos pior que nas outras vezes? Aí não, véi.

  • Nelly Kruczan

    Embacei nada. Escrevi na moral até o bicho pegar no último período. Bater meta com orientador, voo solo em projeto bosta, era foda. Não acompanhava serie, nao conseguia ir ao cinema… Se eu soubesse que ia largar tudo pra bancar a jornalistona, tinha cumprido meta aqui e meu portfolio estaria bem melhor.

  • Nelly Kruczan

    Sim, dessa vez ele ganha porque foi o menos pior, isso se não premiarem o Redmayne.

    Por mim pegavam a estatueta de melhor ator e transferiam pra categoria de melhor atriz. Um pra Cate Blanchett e outro pra Charlotte Rampling.

  • Claro, só você tem outras coisas pra fazer
    A escolhida
    Estudante nota mil
    Sustenta três maridos
    Salvadora do universo
    Rainha da sucata

  • Nelly Kruczan

    Hahahahahaha, porra. Na época não, tava muito na bosta, mas hoje super sou estudante nota mil e sustento três “maridos”, contudo. Perdi 5kg em um mês, fui efetivada e to conseguindo produzir por fora.

    Se fosse hoje faria uns 10 textos per day.

    Sabe de nada.

  • Nelly Kruczan

    Manda e-mail por inbox, que te mando uns textos que fiz de série/filmes que assisti (nao da pra escrever release e nota o dia inteiro), se vc achar que presta, posta. Tão parados, mas não estão obsoletos.

  • Luiz Carlos Santos

    Nelly, minha musa, fiquei órgão quando você saiu aqui do Bacon. Onde você anda deusa ? Mande notícias para seus fãs. De resto concordo com você. Sou fã do DiCaprio, e acho que não precisa fazer essa papagaida de engordar feito um porco ou emagrecer que nem um aidético para ganhar um Oscar. Até porque o prêmio é pela interpretação, e não por fazer do corpo um laboratório.

busca

confira

quem?

baconfrito