A Morte do Demônio (Evil Dead)

Cinema quinta-feira, 18 de abril de 2013

 Mia (Jane Levy), uma jovem marcada pelas perdas que sofreu e pelo vício em drogas, pede ao irmão, David (Shiloh Fernandez), à namorada dele, Natalie (Elizabeth Blackmore), e aos seus amigos de infância, Olivia (Jessica Lucas) e Eric (Lou Taylor Pucci), que a acompanhem até a cabana rústica da família para ajudá-la a superar os seus demônios. Chegando lá, numa cerimônia solene na presença dos amigos, ela se desfaz das últimas drogas que ainda lhe restam e jura se manter longe das drogas de uma vez por todas. Ao entrarem na casa, eles ficam chocados ao descobrirem que a cabana abandonada havia sido invadida. O porão foi transformado num altar grotesco rodeado por uma dúzia de animais mumificados. Eric fica fascinado por um livro antigo que ele descobre no local. Atraído pelo seu conteúdo misterioso, ele o lê em voz alta, sem jamais suspeitar das consequências terríveis que este gesto está prestes a desencadear. Quando a abstinência de Mia se agrava, ela perde o controle e tenta fugir, mas acaba retornando, apavorada com uma visão aterradora. Na cabana, seu comportamento se torna tão violento que seus amigos se veem forçados a acorrentá-la. Presos dentro da cabana por conta de uma perigosa tempestade que assola a região, eles começam a se voltar uns contra os outros. À medida que brutalidade dos seus ataques se intensifica, David terá que encarar uma escolha inimaginável.

Caralho. Caralho! CARALHO! Eu sei que eu não sou o melhor pra falar de filmes nesse site [Ou nesse mundo], mas foda-se. Esse remake de Evil Dead tá foda. E não é uma refilmagem do original, como pode aparentar [Apesar de haverem inúmeras cenas iguais ou parecidas]. É uma revisão, uma ampliação, um melhoramento do filme original. Que já era fudido. A comédia não foi esquecida, mas o foco dessa vez é o horror. Não o terror, o horror sobrenatural, do desconhecido, do inexplicável, do inconcebível. Toda a trilogia teve seus momentos, suas referências, suas homenagens. Mas o filme, mesmo pro leigo que nunca ouviu falar de A Morte do Demônio ou Uma Noite Alucinante, consegue ser uma experiência fantástica.

Eu não vou botar imagens, eu não vou botar trailers, eu não vou fazer nenhum tipo de apelo visual pra vocês, porque esse é o tipo de filme que se aproveita muito mais na ignorância. E se você tá se achando o espertão porque já sabe como o original termina, tenho que te informar de que isso não quer dizer nada. Essa releitura acertou em vários pontos, por se tornar mais realista, mais crível, sem no entanto deixar de lado o gore, o visual. Claro, tem a já clássica estupidez dos protagonistas: Encontrar um livro enrolado em arame farpado e plástico preto, encapado em pele humana, escrito em sangue e cheio de rabiscos dizendo claramente pra você não ler isso e ler, é de uma burrice estratosférica.

Mas temos também as clássicas cagadas de dividir e enfraquecer, de achar que é uma doença desconhecida e não o cramulhão, de hesitar perante uma escolha teoricamente fácil entre a própria vida e a vida de outrem, mesmo que esse outrem seja sua irmãzinha que chapou o coco e tentou matar você. Mas no fim, nada é tão óbvio quanto possa parecer. E, convenhamos, o final vai te dar aquela esperança de que tudo tá bem, melhor do que seria imaginável, até. Pra logo em seguida tomar ela de você tão rápido quanto um jamaicano nos 100m rasos.

Inclusive, acabei de me lembrar que a introdução que foi feita é terrivelmente genial. Talvez pelo fato de mostrar uma pirralha perdida no meio do mato sendo atacada por desconhecidos, que no fim fazem uma atrocidade com ela. Talvez pelo fato de que você faria o mesmo. A questão é sempre essa: Você faria diferente? Em algumas situações, obviamente. Mas em outras, a linha que separa sobrevivência e massacre é tão tênue que você acabe nem vendo.

Mas nem tudo é choro e ranger de dentes. Temos algumas alegrias: A motosserra. A espingarda. O vestido. A mão arrancada pra evitar uma perda maior. E a Jane Levy, quando não tá encapetada, é uma tetéia. E a mulherada tem Shiloh Fernandez o filme inteiro, pra não reclamar. Se você viu a trilogia original, você vai urrar em determinados momentos. Se você não viu, veja antes [Ou logo após], e muita coisa vai fazer sentido pra você. Menos o cachorro.

Morte de cachorro nunca faz sentido. Descanse em paz, Grampa.

A Morte do Demônio

Evil Dead (91 minutos – Horror)
Lançamento: EUA, 2013
Direção: Fede Alvarez
Roteiro: Fede Alvarez e Rodo Sayagues, baseados no filme de 1981 de Sam Raimi [Reza a lenda que Diablo Cody reescreveu o roteiro, mas nada consta nos créditos]
Elenco: Jane Levy, Shiloh Fernandez, Jessica Lucas, Elizabeth Blackmore e Lou Taylor Pucci

Leia mais em: , ,

Antes de comentar, tenha em mente que...

...os comentários são de responsabilidade de seus autores, e o Bacon Frito não se responsabiliza por nenhum deles. Se fode ae.

  • Eu queria um apelo visual, deixaria a leitura mais confortavel, fora isso, nunca ouvi falar nesse filme, mas pela descrição parece ser muito bom (:

  • A ideia era deixar o texto igual o filme: Meio desconfortável, por mais que você esteja ali por escolha.

  • Luiz Carlos Santos

    Vou na tua mais uma vez, Pizurk, meu velho. Você falou com tanta empolgação, que praticamente me obrigou a assistir ! Vamos ver se o filme é tudo isso.

  • débora

    quero muuuuuuuuuuuuuuito ver

  • Mais uma vez? Cê já tinha “ido na minha” antes? Quero saber dos resultados, fio

busca

confira

quem?

baconfrito