O Enigma de Outro Mundo (The Thing)

Bogart é TANGA! segunda-feira, 10 de setembro de 2012

“Numa distribuição RCA…”

(Clima de suspense)

“O Enigma… De Outro Mundo…”

Adoro essas dublagens de filmes dos anos 80, sério.

Este é um clássico de três décadas atrás, mas que ultrapassa gerações. Antes de tudo, é preciso dizer que a personagem principal desta produção cinematográfica é… Uma coisa. Ela veio do espaço, ela invade e se disfarça de pessoas. É uma contaminação mundial em potencial, que só precisa de uma chance, uma pequena chance que seja, de sair do meio do gelo infinito onde foi parar e foder com cada animal e humano no planeta. Ela parece a mistura mal-sucedida de uma lagosta gigante com o capeta em si. E claro, meia dúzia de pessoas precisam ser lentamente aterrorizadas por ela para que o filme funcione. Claro, elementar.

Pois bem, essas pessoas estão em uma estação americana de pesquisa em algum lugar muito distante de tudo, na Antártica. A história toda traspira mistério desde o começo: Um helicóptero norueguês, levando dois sujeitos igualmente noruegueses, aparece do nada, com um dos homens dependurado à porta do aparelho atirando em um cachorro, que corre pela neve, tentando não morrer. Enquanto isso, na base americana, cientistas e operários saem, alarmados, só para ver o atirador misterioso e tão estranhamente obstinado, mas sem falar inglês para se explicar, explodir sem querer o helicóptero e seu companheiro. É assim que estrangeiro desconhecido acaba morto a tiros por um americano nervoso.

Desde esse começo no mínimo esquisito, o expectador sabe apenas o que vê, tanto quanto as pessoas naquela base. Ouve falar que o helicóptero veio de uma estação norueguesa não muito longe. Durante todo o filme, pequenas informações são dadas, coisas são vistas, mas sem ajudar muito a desvendar os mistérios impostos. A idéia é justamente essa: Não saber ao certo, apenas ter pistas, fatos bastante aterrorizantes por si. Ao assistir, sabemos mais ou menos que a tal coisa veio parar na Terra em uma nave (É a primeira cena), o que a classifica como alien; descobrimos que o bicho é praticamente uma massa de instintos que tem a incrível capacidade de tomar um hospedeiro animal (Até onde se mostra, mamíferos) e se passar perfeitamente por ele. No caso de pessoas, aparentemente pode usar os conhecimentos e habilidades do infectado em prol de sua própria sobrevivência.

 Agora, sorria.

O resultado disso é um clima de desconfiança permanente. O velho John Carpenter consegue manter uma história consistente e amedrontadora do início ao fim. É possível ser envolto pela falta de informação, o isolamento e o desespero reinante na tela. Não há casinhos amorosos para esquentar o filme, não há historinhas pessoais para desviar o caminho, não tem para onde correr. A coisa está ali, e ela quer sobreviver. O que ela causa é primário, é o medo, em estado puro. Sendo assim, não é mais preciso falar: É um filme simples, mas indispensável para quem gosta do bom cinema. Em tempo, os efeitos especiais são ótimos para a época; o ambiente, apesar de repetitivo, não produz nenhum efeito negativo. Ademais, ele segue a simplicidade de sua história, e cheio de qualidade. Clássico do horror, um tanto mal recebido em sua época, foi definido por um crítico americano como “um baita antídoto contra E.T.”, lançado no mesmo período. Alguém duvida?

O Enigma de Outro Mundo

The Thing (109 minutos – Horror)
Lançamento: EUA, 1982
Direção: John Carpenter
Roteiro: Bill Lancaster, John W. Campbell Jr.
Elenco: Kurt Russell, Wilford Brimley e Keith David

Leia mais em: , ,

Antes de comentar, tenha em mente que...

...os comentários são de responsabilidade de seus autores, e o Bacon Frito não se responsabiliza por nenhum deles. Se fode ae.

busca

confira

quem?

baconfrito