Fast-food Reviews 005: Nintendo DS

Games quinta-feira, 30 de agosto de 2007

Não sabe como funcionam essas reviews? Veja a introdução aqui.

Semana fraca de lançamentos pro DS. Vamos ver uns joguinhos de outras semanas, ok?

 

The Settlers

the-settlers-ds.jpg

Olha o zoom na tela de cima. Que horror.

The Settlers é o remake de um dos clássicos de estratégia pra PC. Foi lançado originalmente em 1994, e confesso pra vocês que é um dos poucos jogos pra obsessivos que eu não joguei no PC. Mas ouvi falar tanto, né? Então, vamos jogar o do DS. Deve ser bom e tals…

Cara, que frustração.

Em primeiro lugar, o jogo é horrível: os caras não melhoraram um pixel da versão original, pelo que pude ver conferindo com screenshots do jogo no PC. Já acho isso uma baita calhordice. Buniteza não faz o jogo ser bom ou ruim, como sempre digo, mas nesse caso é importante, já que jogos de estratégia se baseiam muito no que você consegue ou não ver na tela. Os menus e comandos são espetacularmente ruins, não respondem ao toque da canetinha, são pequenos demais e confusos. Porra, nem pra dar uma garibada nos menus? Custava botar um tutorial pra quem nunca jogou? É muito difícil fazer menus com barras de rolagem, pra não ficar congestionando a tela com 327 informações ao mesmo tempo?

Mas eu insisti. Eu sou da época de Dune II, porra! Eu joguei Civilization I, mano! Então, fui jogando, com muito esforço. E o jogo é… chato pra caralho. Não tenho outras palavras para descrever. É simplesmente um ritmo e estilo de jogo que não combinam com o DS. Eu juro pra vocês que tentei.

Julgamento final: Tente, se você for fã do original e já souber como jogar. Altamente contra-indicado pra quem nunca viu The Settlers antes.

 

Nervous Brickdown

nervousbrickdown.jpg

As duas fotos são do mesmo jogo, pode crer.

Já citei esse joguinho aqui pelo site, é um daqueles jogos que só poderia ser feito no DS mesmo. á primeira vista, e também á primeira jogada, parece mais um clone de Arkanoid. O mesmo esquema de bolinha que bate na plataforma e fica rebatendo pelo cenário, quebrando tijolinhos.

Mas não se engane. Rapidamente as primeiras fases ficam pra trás, e as coisas começam a ficar bizarras. A plataforma vai se transformando em coisas diferentes nas outras fases, sendo que em uma delas você até mesmo desenha a sua própria plataforma com a canetinha. O jogo também propõe umas idéias diferentes no gênero, como cenário dinâmico, em que você vai avançando tela acima; chega a parecer um “jogo de nave” em algumas fases. Nervous Brickdown é meio curto, mas ele te surpreende a cada mudança de fase, sempre propondo alguma coisa nova, mostrando tudo que dá pra fazer com a idéia de rebater uma bolinha pelo cenário. Você pode até mesmo influenciar a trajetória da bolinha assoprando no microfone do DS! Criativo. Só jogando mesmo pra entender como é legal.

Pra completar, o jogo é bonito, possui músicas e efeitos muito originais e um estilo que chama a atenção. A navegação pelos menus é muito simples e agradável, perfeito pra uma jogadinha rápida quando você tem 15 minutos sobrando. O estilo e design geral me lembraram Meteos, outro espetacular e viciante jogo do DS.

Julgamento final: Indicadíssimo pra qualquer um. Fácil de aprender e muito satisfatório.

 

Sim City DS

sim_city_ds.jpg

Eu me esforcei muito pra gostar de você, Sim City DS.

Vocês também eram viciados em Sim City? Eu jogava no Super Nintendo e, cara, era horrível. Eu tinha que deixar o Super Nintendo ligado de noite e ir dormir, enquanto a cidade ia se desenvolvendo e acumulando dinheiro. Eu já cheguei a esse ponto. E nem conto quantas horas já foram gastas com Sim City 4, no PC

Foi com grande expectativa que me atirei ao Sim City DS, portanto. Porra, uma chance de carregar minha cidade no bolso! Irresistível.

Comecei a jogar muito empolgado. Gráficos legais, menus muito eficientes e intuitivos, montes de informação disponíveis sobre a sua cidade. Os presentes estão lá, a casa do prefeito, os desastres naturais, as usinas de energia, os aterros de lixo. Tudo que você espera de um Sim City os caras conseguiram enfiar no portátil.

Mas, é com tristeza que informo a vocês que não deu bons resultados. Vejam bem, o jogo é bem-feito, não é um remake manco como o The Settlers. É perfeitamente jogável e com um bom ritmo de avanço. O problema é que é mais um jogo que não dá certo no DS. O tempo todo você fica sentindo que “falta espaço”, manja? Não tem aquela sensação de construir uma megalópolis, povoada por milhões de pessoas e cheia de coisas pra você gerenciar. ISSO que sempre me atraiu em Sim City.

As coisas ficaram muito facilitadas na versão do DS, e aos poucos você vai descobrindo as adaptações que precisaram ser feitas pra fazer o jogo funcionar no portátil; conforme sua cidade cresce, por exemplo, você vai vendo que as construções e modelos dos edifícios e casas são todas iguais. A falta de variedade vira um problema quando a sua cidade começa a ficar grande, porque você não tem pontos de referência pra saber onde está. É tudo igual sempre. A telinha pequena do DS também prejudica o deslocamento pelo mapa, porque nunca é possível mostrar muita coisa ao mesmo tempo. E só tem dois níveis de zoom, nenhum deles muito bom. Tem outros problemas também, que nem vou enumerar pra você não ficar mais frustrado.

Uma pena. Nem dá pra culpar os desenvolvedores. Eu acho que simplesmente o hardware do DS não dá conta desse tipo de jogo.

Julgamento final: Eu sei que não adianta eu dizer pra você não jogar: você vai querer jogar só pra ver como ficou, você não acredita em mim. Mas depois volte aqui pra ler isso:

“VIU? Eu te disse que era meia-boca!!.”

Antes de comentar, tenha em mente que...

...os comentários são de responsabilidade de seus autores, e o Bacon Frito não se responsabiliza por nenhum deles. Se fode ae.

  • Friederichs

    é velho, realmente essa semana ficou bem meia boca… Nem curioso fiquei…

busca

confira

quem?

baconfrito