O Youtube é a nova TV (E isso não é bom)

Televisão segunda-feira, 11 de setembro de 2017

Houve uma época em que loucos gritaram que a televisão estava chegando ao fim. Meu tio punk, por exemplo, ficou muito feliz quando tamanho absurdo fora “anunciado”, afinal, com o fim da televisão, aquele tubo infecto de mentiras e alienações, metade dos problemas do mundo iriam acabar. Além disso, um grupo de jovens estava rebelando-se contra o sistema e gritando palavras de caos na internet, mais precisamente num lugar chamado Youtube. O segundo sol havia chegado, era a grande hora do povo, o gigante havia despertado, mas entre uma e outra caminhada acabou escorregando em gelecas e morreu afogado em uma banheira de creme da avelã. Que nem é tão bom assim, diga-se de passagem.

Não há como negar que a internet mudou a forma de se fazer televisão hoje em dia, afinal, na internet qualquer Zé Pião como eu e você tem voz e pode levantar uma turba contra emissoras, programas, apresentadores e afins. Além disso, assim como sua mãe, que não sabe se portar como adulta e acha que ainda tem 16 anos, a televisão foi obrigada a se entender com os jovens e é raro hoje em dia o programa que não tenha uma hashtag própria ou que não leia tweets ao vivo.

Além disso, é claro, de olho na quantidade de dinheiro que jovens sem muito talento, esforço, conteúdo ou produção levantavam, a TV abraçou também a internet, um lugar onde você pode oferecer pouco e ganhar muito. Com isso, mais culpa dos próprios Youtubers do que dos ex-profissionais de TV, que apenas seguiram o que dava certo no Youtube, a plataforma deixou de ser um sinal de conteúdo e transformou-se hoje no que era a TV dos anos 80.

O Youtube nada mais é do que uma mega emissora louca por dinheiro que tá cagando pro que você produz pra ela. A televisão pelo menos exige um certo nível de qualidade, mas no Youtube se deu view tá bom. Não quero pagar de tio punk aqui, não é como se o Youtube tivesse um espaço limitado e que ele estivesse completamente preenchido por canais de jovens bêbados, nada contra, obviamente, mas não seria legal o Youtube se preocupar menos com quem já dá grana pra eles e tentar incentivar a galera que tem um pouco menos de números?

Um bom exemplo a ser citado aqui é o canal da TV Quase, com pouco mais de 65.000 inscritos, os envolvidos acabam tendo que produzir mais conteúdo para a televisão e até mesmo pra canais maiores do Youtube do que pro próprio canal. Eu sei, quem faz o Youtube é você, mas o grande problema aqui, é que diferente da televisão, onde existem canais especializados para um certo tipo de público e conteúdo, no Youtube tá tudo junto e tá cada vez mais difícil garimpar aquele lixão.

Como disse antes, não to querendo cagar regra sobre o que pode e o que não pode num lugar “livre” como a internet, apenas acho, e quem sou eu pra achar alguma coisa, que o Youtube podia ser mais parceiro e olhar pras outras camadas de produtores de conteúdo.

Leia mais em:

Antes de comentar, tenha em mente que...

...os comentários são de responsabilidade de seus autores, e o Bacon Frito não se responsabiliza por nenhum deles. Se fode ae.

busca

confira

quem?

baconfrito