Pokémon Go não foi

Games terça-feira, 16 de agosto de 2016

Desde que a Nintendo resolveu que precisava fazer algo de bom para a ajudar o mundo e começou a obrigar seus usuários a exercitarem-se enquanto jogam vídeo game, o mundo tornou-se um lugar um pouco mais sombrio. A mais nova moda, embora não seja 100% culpa da Nintendo, é Pokémon Go, que obriga você a andar por aí caçando criaturas que não existem. Eu sou um puta fã de Pokémon, ou fui um puta fã de Pokémon, pelo menos até a segunda geração, e deveria estar muito feliz, já que Pokémon Go é o mais próximo que qualquer um chegará do mundo de Pokémon, mas não, eu não quero ficar andando por aí caçando bichos, eu quero ficar em casa bebendo cerveja, comendo doritos e cagando o teclado do PC enquanto jogo Pokémon em algum emulador de Gameboy, porra! Mas se o Jo não vai até Pokémon Go, Pokémon Go vai até o Jo e cá estou eu, treinando uma jovem treinadora de Pokémon.

Pokémon Go.

E não, eu não estou falando da minha filha, que é uma criança de 6 anos e crianças de 6 anos não devem ter aparelhos celular. Estou falando de minha amada senhora. Sim, ela que muito provavelmente perguntou-se centenas de vezes por que diabos casou com o cara que joga Pokémon e não com o cara que joga futebol, caiu nas graças dos monstrinhos de bolso, mesmo sem saber o nome de qualquer um deles, além do Pikachu, é claro, ou pra que servem os itens, quais são as evoluções e essas coisas que só quem foi um gordinho melequento assistindo Pokémon na Record antes de ir pra escola sabe.

O jogo, como vocês já devem saber, não é muito complicado, capture pokémon (Porque PokémonS não existe, bando de burro do caralho. É POKÉMON, DE POCKET MONSTERS, JÁ TÁ NO PLURAL, CARALHA), evolua pokémon, vença outro treinador de pokémon, torne-se um mestre pokémon. Fácil, porém não muito simples, né?

Eu não sei o real motivo, mas Pokémon Go acabou não me chamando atenção. Digo, estou amarradão em ajudar minha senhora e morro de rir com os gritos que ela dá quando depara-se com algum pokémon que ainda não tem, ou com os xingamentos quando os malditos escapam da pokébola e metem o pé, mas pra mim, que já joguei a maioria dos jogos de pokémon, inclusive TCG (Magic nunca foi o meu forte), Pokémon Go deixa a desejar em muitos aspectos, principalmente nos que eu não posso ficar em casa bebendo cerveja, comendo doritos e cagando o teclado do PC enquanto jogo Pokémon em algum emulador de Gameboy.

É bom ver a moçada correndo por aí e amando Pokémon novamente, embora Digimon seja melhor e Monster Rancher humilhe os dois, mas eu quero ver como as coisas vão ficar quando o meu amado capitalismo começar a abraçar o jogo de verdade e alguns pokémon só puderem ser capturados com certos tipos de pokébolas especiais, que por sua vez só podem ser compradas com dinheirinho de verdade.

Leia mais em: ,

Antes de comentar, tenha em mente que...

...os comentários são de responsabilidade de seus autores, e o Bacon Frito não se responsabiliza por nenhum deles. Se fode ae.

  • Daniel San

    “embora Digimon seja melhor e Monster Rancher humilhe os dois”

    Em relação aos animes ou aos jogos?

  • Jo

    Animes, claro. Jogos não tem nem como comparar.

busca

confira

quem?

baconfrito