Bacon Entrevista: Patrick Wesolowski

Livros sexta-feira, 12 de agosto de 2016

Patrick Wesolowski é um escritor com um livro já publicado, mas isso não o afastou de um site onde todos podem colocar as suas histórias, publicando inéditos na plataforma. Conversei com ele sobre suas histórias, sua escrita e umas pseudo girafas. A conversa você confere abaixo.

Santhyago: Começa falando um pouco sobre quem é o Patrick quando não está escrevendo. Idade, onde mora, o que gosta de fazer, essas coisas.

Patrick Wesolowski: Patrick é um escritor que se aventura com programação, culinária experimental e outras coisas malucas quando não está escrevendo. Tem 23 anos e não sabe por qual motivo está escrevendo na terceira pessoa.

O quanto dessas coisas malucas que faz influenciam a sua maneira de escrever?

Várias delas. Quando eu encontro alguma coisa estranha ou nova no mundo real eu tento colocar um pouco disso nas histórias que eu escrevo. Eu faço bastante disso na história nova que eu estou escrevendo. E tem umas boas partes de filosofia barata de boteco, astrofísica e programação. E também deve ter um pouco de culinária em algum ponto.

Existe alguma fórmula que segue quando está desenvolvendo uma nova história? Ou cada uma que surge exige um processo diferente?

Eu sigo uma fórmula (Acho). Eu penso primeiro em uma ideia geral. O que vai acontecer de principal na história. Quem vai fazer essas coisas. Como essas coisas vão se finalizar, e por fim a ambientação geral da história. O resto é construído ao longo do processo de escrita, que é feito sempre de maneira linear.

Todo esse processo se passa apenas na sua cabeça? Existe muita pesquisa envolvida quando começa a planejar?

A maior parte desse processo se passa apenas na minha cabeça. É como se lá surgisse uma planta que vai crescendo. Um belo dia uma vaca mastiga a planta e cospe ela pra fora. Também marco em pedaços de papeis espalhados para todos os cantos algumas ideias que podem melhorar a história.

Demora muito nesta etapa? Quanto tempo do planejamento até ter a história concluída? Demora mais ou menos tempo que a gestação de uma girafa?

Não é uma ciência exata, afinal, sou de humanas. Tem histórias que ficaram algumas horas na minha cabeça, e algumas que ficaram meses ou anos. Não tem um tempo específico para cada uma.

O importante é que uma hora elas veja o fim do dia. Assim como as girafas. Quais autores te inspiram a escrever?

No geral, os de suspense, que é o meu foco. Mas a pessoa a quem devo o mérito de me fazer ter vontade tanto de ler quanto escrever é uma jovem senhora chamada J. K. Rowling (Stones). Eu não tinha dinheiro para comprar os livros da série Harry Potter, então eu esperava ansioso pra alguém me emprestar um exemplar pra ler. O último livro foi lido em poucas horas, com apenas duas pausas para banheiro e café.

Ela sim é a verdadeira bruxa. Colocar tanto pivete na frente de um livro não é coisa pra qualquer um.

Sim. Com uma história relativamente simples, porém muito atrativa, ela cativou muitos milhões de novos leitores.

Como foi que conheceu o Wattpad?

Eu fiquei alguns segundos voltando na memória para descobrir isso. Acontece que na época eu escrevia para um blog literário bem conhecido, e uma moça me adicionou no Facebook e começou a conversar comigo a partir de uma postagem no blog. Ela quem me contou que escrevia as histórias dela e publicava no Wattpad. E sugeriu que eu fizesse o mesmo.

Já tinha muita história planejada nessa época?

Na época eu tinha uns sete contos finalizados, um livro pronto guardado na gaveta que eu achava muito ruim para ser publicado, e alguns vários artigos em blogs sobre assuntos diversos. E também estava escrevendo outro livro que eu acabei parando e deixando na gaveta (lê-se Google Drive).

Fala um pouco sobre as suas histórias que tem lá publicadas.

Lá tem alguns contos meus como o Mitoses. Este é um suspense que se aventura um pouco pelo campo da ficção científica. Tem um com nome grande, chamado O Cachorro Mais Importante do Universo, que é um conto e também parte de um livro que pretendo finalizar no futuro. Um livro dividido em seis contos que podem ser lidos em qualquer ordem que farão o mesmo sentido.

Também tem uma prévia de Gabriel, que é um livro que eu publiquei com uma editora, e o livro novo que estou escrevendo, chamado Pesadelo. Outro suspense (Ah, é, jura?) que viaja bastante pelos futurísticos sem perder o essencial de um suspense.

E este seu chamado Pesadelo, como é a história?

É uma história com muito mistério, que já começa cercando o leitor de dúvidas e questionamentos sobre o que aconteceu com Nicolas no dia em que as luzes ficaram escuras e ele não se lembra de nada que aconteceu. Daí para frente as coisas começam a ficar cada vez mais tensas e a diferença entre o que é real ou apenas imaginação do leitor/protagonista da história começa a diminuir. É um caso que talvez Poirot ou Holmes pudessem resolver, ambientado em um cenário futurista.

Ou enlouqueceriam no processo, imagino.

Existe essa possibilidade, embora eu tenha tendência em acreditar que eles sobreviveriam ao processo com poucos danos.

Quando que pretende finalizar? Existe um planejamento desta, também?

Olha, Existe uma meta, mas quando chegar na meta a gente pode dobrar a meta, se é que você me entende. O meu objetivo é postar um capítulo por semana. Eu tento seguir esse princípio. Como a história vai ter algo em torno de 40 capítulo, pode demorar até a metade do ano que vem pra ficar totalmente pronta.

E seguindo o princípio da girafa, talvez a sua história e a gestação dela terminem ao mesmo tempo.

Ou talvez ambos nasçam prematuros.

Suas histórias tem personagens bem humanos, sendo colocados em situações meio… Como direi? Extremas. Uma mina profunda. Um hospício. Qual seu limite quando pensa no sofrimento que o personagem tem que passar quando escreve as suas histórias?

Eu tento mostrar da maneira mais profunda possível o que passa na cabeça das personagens nas situações mais adversas. Os seus medos, suas vontades. Nenhum dos meus personagens é um herói de contos de fadas ou mocinho de filme de Hollywood. Todos são pessoas com as quais o leitor possa se identificar em alguns pontos e se questionar: Será que eu faria o mesmo se estivesse nessa situação? Eu costumo criar mais dúvidas do que dar soluções quando escrevo.

Tem dificuldades para divulgar as suas histórias?

Sim. As dificuldades que todo escritor pequeno tem para divulgar seu trabalho. Eu fiz várias campanhas, fiz sorteio (Do livro que publiquei), mas são poucas as pessoas que realmente dão suporte. Esta história que estou publicando no Wattpad não passou das 200 visualizações hahah. Mas o importante é não parar de escrever, afinal não se escreve para ficar famoso, mas porque se tem vontade de escrever.

Bem dessas. Para uns, escrever é uma terapia e para outros, uma necessidade. E quantos outros projetos mais tem engavetado? Alguma previsão de quando verão a luz do dia?

Bem. O primeiro livro que eu escrevi e ficou na gaveta durante alguns anos está em processo de revisão. Um longo processo de revisão. Tenho mais um com cerca de 40 páginas escritas que ficou parado, e mais dois projetos que não começaram a ser escritos. É bastante coisa. Quem sabe se eu beber bastante café consiga terminar todos, hahah. Ao todo são: Um livro publicado, um finalizado em revisão, um com 40 páginas parado, e dois que ainda estão na fase da planta.

Muitas girafinhas a nascer. E chegamos ao fim da entrevista… Gostaria de deixar um recado para seus leitores? Alguma mensagem para aqueles que tem histórias na mente e querem as fazer tomar forma e irem a público?

Aos meus leitores digo o de sempre: Vamos resolver mais um mistério? Para quem deseja concluir um romance, tem duas boas dicas que posso dar. Primeiro: Não pare de escrever e não pense demais antes de escrever. Deixe a parte ruim pra revisão. Segundo: Mande seus textos para pessoas que saibam realmente fazer a crítica de um livro. Geralmente as pessoas que gostam muito de você vão dizer que a história está boa mesmo que elas torçam o nariz três vezes ao ler, e isso pode causar problemas no futuro.

Santhyago: Ótimos conselhos. Obrigado por responder minhas perguntas ^^

Patrick Wesolowski: Obrigado pela entrevista, Sr. Carlos Santhyago.

E esta foi a entrevista com o senhor Patrick. Não deixem de seguir ele nas redes sociais, no blog, no seu perfil no Wattpad e de comprarem o livro dele, vale muito a pena.

E se essa entrevista atingir 30 comentários, eu vou sortear um.

Olha aí a oportunidade, bando de safado! Aproveitem que cês tão aí e confiram também as outras entrevistas da série aqui e quem sabe vocês não criam um fetiche por girafas que nem o Santhyago também?

Leia mais em: , , , ,

Antes de comentar, tenha em mente que...

...os comentários são de responsabilidade de seus autores, e o Bacon Frito não se responsabiliza por nenhum deles. Se fode ae.

  • Cristian Scuziato

    Patrick e Carlos, me expliquem as implicâncias com as girafas :V

  • Patrick Wesolowski

    Isto surgiu dos devaneios elucubrantes de Carlos. Eu só dei corda pra história continuar.

  • Cristian Scuziato

    suspeitei desde o principio, ele sempre vem com alguma coisa assim heuehuehue

busca

confira

quem?

baconfrito